A cultura de estupro: o arcabouço da desigualdade, da tolerância à violência, da objetificação da mulher e da culpabilização da vítima

Clariana Leal Sommacal, Priscila de Azambuja Tagliari

Resumo


O presente artigo busca analisar a cultura de estupro e as suas características sob a perspectiva do sistema de gênero, observando as situações que ensejam a vigência da concepção discriminatória da mulher. Tendo como base a correlação entre o gênero, o poder, a dominação e as mais variadas formas de violência praticadas contra o sexo feminino, com especial enfoque no crime de estupro, analisar-se-á as circunstâncias concernentes à cultura do estupro, as quais se materializam na normalização da violência, na objetificação da mulher e na culpabilização da vítima; características essas que, além de promover o culto do crime em comento, ensejama permanência da mulher em um patamar inferior, desigual e adstrita às
condutas morais socialmente esperadas pelo sexo feminino.


Palavras-chave


Gênero. Violência. Mulher. Cultura do estupro.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.14295/revistadaesmesc.v24i30.p245

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


rodape_610_610