[1]
B. N. Trizotti, “CONSTELAÇÕES FAMILIARES: UMA ANÁLISE DOS PONTOS NEGATIVOS E POSITIVOS ACERCA DA SUA APLICAÇÃO NO DIREITO DE FAMÍLIA”, Rev. ESMESC, vol. 27, nº 33, p. 115–140, nov. 2020.